terça-feira, 11 de março de 2008

Texto: A Matemática

Para que serve a Matemática? Muitos respondem logo "Para nada!". Infelizmente esta é a realidade, as pessoas desprezam aquilo que não compreendem e a Matemática não é excepção.
Não compreendem que a Matemática é omnipresente, encontra-se em todo o lado. Sem a ajuda da Matemática, não existiria a Física, a Química nem a Informática. Não teríamos carros nem computadores e, para desespero da maioría dos alunos que dizem que a disciplina não serve para nada, não teríamos telemóveis. Todos os dias usamos Matemática e na maior parte das vezes não nos apercebemos.
É divertido resolver problemas de Matemática. Pôr o nosso intelecto à prova e, quando se resolve um problema, há uma sensação de realização dentro de nós o que incentiva a resolver mais e mais problemas. É divertido perceber de Matemática pois o dia a dia torna-se mais fácil e podemos ensinar às pessoas a melhor forma de proceder em diversas situações...
A Matemática é social. O que quero dizer com isto é que, entre as pessoas que gostam de Matemática, há sempre outros interesses em comum tais como interesses em músicas, filmes e livros.
A Matemática começa a ter uma maior influência na vida de um aluno no 8º pois é nesse ano em que o aluno tem a possibilidade de participar numa final nacional das Olimpíadas Portuguesas de Matemática (OPM). À final das OPM concorrem 60 alunos de todo o país. Todos eles contactam uns com os outros conhecendo outras culturas e formas de pensar. Aqui faz-se amigos para a vida podendo considerar-se a Matemática como forma de vida.

sábado, 9 de fevereiro de 2008

Plano Guia e Fontes

Plano Guia

Título do texto: A Matemática como modo de vida

Introdução:
A Matemática não serve para nada? - 1º Parágrafo

Desenvolvimento (Argumentos):
Matemática omnipresente - 2º Parágrafo
Matemática é divertida - 3º Parágrafo
Matemática social - 4º Parágrafo

Conclusão:
A Matemática como modo de vida - 5º Parágrafo

Webgrafia:
http://www.educare.pt/educare/Detail.aspx?contentid=AED8B2FF872C4A7092C2269D3B9F94A3&opsel=1&schema=1CD970AB0836334EB627B1FF128684C3&channelid=1EE474ED3B3E054C8DCFD48A24FF0E1B
http://www.educare.pt/educare/Detail.aspx?contentid=AE20CEFD94C546AFB385F6D55B42B00A&opsel=1&schema=1CD970AB0836334EB627B1FF128684C3&channelid=1EE474ED3B3E054C8DCFD48A24FF0E1B
http://www.cienciapt.info/pt/index.php?option=com_content&task=view&id=1527&Itemid=235

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Poema décimo quarto de Alberto Caeiro



Trabalho elaborado por:
Filipe Valeriano Nº 16 12ºA

Poema
Título: "Poema décimo quarto"
Autor: Fernando Pessoa (Alberto Caeiro)
Música
Título: "Hey"
Intérprete: Red Hot Chili Peppers

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Trabalho da Feira de Castro

Plano guia

Introdução – O que é a “Feira de Castro”

Desenvolvimento – A minha ida à Feira de Castro

Pontos de interesse da feira.

Conclusão – Consequências da ida à Feira de Castro

A Feira de Castro

A Feira de Castro é um acontecimento anual (3º fim de semana de Outubro) que, como o próprio nome indica, ocorre em Castro Verde. Este acontecimento é marcado pela afluência de ciganos e tendeiros a Castro Verde no intuito de montar tendas e barracas de comércio no recinto da feira. É um acontecimento que atrai milhares de pessoas vindas de todo o Alentejo (Baixo e Alto) e Algarve.

A minha ida à Feira de Castro foi marcada por muito andar, pois esta é grande, e, o que me interessava, ficava do outro lado da feira. Não eram as farturas, nem tão pouco os brinquedos, nem roupa ou calçado. O que realmente me interessava eram os carrinhos de choque. E porque este interesse? Pois bem, está na base deste interesse, não só a componente de lazer característica dos carrinhos, mas também ser um ponto de encontro de jovens da minha idade e uma oportunidade de passar tempo com eles.

Pontos de interesse na feira encontravam-se nas proximidades dos carrinhos de choque bem no âmago da feira. Entre estes, encontravam-se a barraca de comes e bebes dos alunos de EMRC da Escola Secundária de Castro Verde, criada para angariar fundos para uma visita de estudo com destino a Roma.

A ida à Feira de Castro revelou em mim uma apatia imensa por feiras. Apenas como local de encontro de amigos é que considero um motivo válido para ir à feira.

quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Trabalho: Ser Pessoa Título: Erros

Já estou farto errar.
Dos erros eu quero fugir;
Para tal, de ser vou deixar
E um eu novo vai surgir.

Cubismo

O cubismo é um movimento capital da arte do século XX, que marca o fim da representação do espaço pictural instaurada por Alberti (que vigorou como norma durante quatro séculos), e determina o novo espaço da arte moderna e comtemporânea.
A partir das primeiras pesquisas de Picasso e Braque, muitos foram artistas que, pressentindo as potencialidades oferecidas por essas pesquisas, vão explorá-las por conta própria, por vezes de modo sumário mas também muito inventivo.
No entanto só o cubismo de Braque e de Picasso determina a revolução plástica que conduz, entre 1907 e 1914, à destruição do espaço naturalista e à sua substituição por um espaço conceptual.

A forma mais conhecida deste movimento denomina-se cubismo sintéctico. Nesta forma, os pintores têm a ideia de representar objectos através dos seus traços essenciais, ou de forma sintética.
O objecto deixa de ser apresentado de forma ordenada dirigindo-se ao espírito para ser reconstituído.
Os pintores limitam-se a reproduzir formas puras e geométricas dos objectos.
O porta francês Apollinaire resumia bem o cubismo dizendo que "a geometria é para as artes plásticas o que a gramática é para a arte do escritor".


"Les demoiselles d'Avignon" (Pablo Picasso - 1907)

terça-feira, 2 de outubro de 2007

Avé Matemática

Avé Matemática, Cheia de Teoremas e Axiomáticas,
O Senhor não é tosco
Voadora sois vós entre os elefantes
Faleçam a Inversão e as Circunferências Paralelas
Santos Olímpicos, AFFTAs e Mitras:
Pensai por todos os físicos
Agora e na hora das Provas
QED